terça-feira, 10 de maio de 2011

Creio no Espírito Santo... na remissão dos pecados...

Introdução
    Como cristãos, confessamos que cremos na remissão dos pecados. É O Espírito Santo que imprime em nós a promessa da remissão. Na última ceia com seus discípulos Jesus, falando sobre seu sangue que seria derramado afirmou que era para “a remissão dos pecados”. Mateus 26.28. Este testemunho vale para a igreja até os dias de hoje, pois o Espírito Santo lembra ao cristão constantemente que seu pecado foi redimido em Cristo Jesus.
Mas primeiramente precisamos nos perguntar o que é pecado?
O que é pecado?
    Esta palavra caiu em desuso em nossos dias. Temos até medo de falar em pecado, pois rapidamente alguém se levanta para nos acusar de legalista. Portem a Bíblia fala de pecado. Como cristãos precisamos ouvir o que é o pecado.
O termo grego para pecado é hamartia que significa errar, enganar-se ou não acertar o alvo. Porém na Bíblia o conceito de pecado vai mais longe. Pecado na Bíblia é a rebelião contra Deus (Confira Salmos 51.4 e Romanos 8.7).  Com a desobediência, a rebelião de Adão e Eva contra Deus emGênesis 3, o pecado atingiu toda a humanidade. Já nascemos separados de Deus. Somos, por natureza, rebeldes contra Deus.
Nossa rebelião, separação de Deus, trouxe conseqüências dramáticas para a humanidade. Fomos expulsos da presença de Deus (Gênesis 3.23). Longe da presença de Deus, rebeldes e escravos do pecado caímos no próprio buraco que cavamos. O pecado trouxe ao ser humano conseqüências desastrosas:
1.)    Separados de Deus: Por causa do pecado o ser humano é expulso do paraíso Gênesis 3.23 e Isaías 59.2.
2.)    Maldade do ser humano contra seu próximo: Logo após ser expulso do paraíso, acontece o primeiro homicídio, onde um irmão mata o outro. Gênesis 4.8.
3.)    Escravidão: O pecado é uma força má e diabólica que toma conta do ser humano. Ele nos torna escravos de sua vontade Romanos 7.14. Martim Lutero diz que somos cavalgados pelo diabo e por isso não é possível dominar o pecado.
4.)    Morte física e espiritual: Depois da queda, em Gênesis 3, o ser humano passou a morrer. Ele não vive mais para sempre. Ou seja, a morte é conseqüência do pecado (Romanos 6.23). Além da morte do ser humano, o pecado também trouxe a morte espiritual, onde o ser humano é definitivamente separado de Deus. Efésios 2.1 e Apocalipse 21.8
    O que fazer então, se o pecado nos empurra para a escravizante condição de estarmos separados de Deus. A história não terminou aqui. Jesus veio, morreu por nossos pecados e ressuscitou para nos dar nova vida (1 coríntios 15.3-4). Por isso, no credo apostólico confessamos: “creio... na remissão dos pecados”.
Se já sabemos o que é pecado, então o que é remissão?
O que é remissão?
    A palavra remissão, que encontramos em nossas bíblias, vem do termo grego afesis. Este termo significa perdão, cancelamento, libertação. Ou seja, por causa da desobediência nos tornamos escravos do pecado. É como uma dívida que temos contra Deus. Não uma dívida em dinheiro, mas uma dívida de honra.
    A Bíblia afirma que, ainda que nos esforçássemos, não conseguiríamos pagar nossa dívida (conforme a parábola do credor incompassivo emMateus 18. 23-35).
Remissão é o perdão desta dívida. É a libertação que recebe aquele que estava preso, escravo do pecado. Perdão não pode ser pago, não pode ser conquistado nem merecido. Se alguém merecer perdão, então não foi perdoado, mas pagou sua dívida.
    Quando dizemos que nosso pecado é perdoado, estamos dizendo que a dívida foi cancelada sem que pudéssemos fazer algo. Esse é o perdão que recebemos de Deus em Cristo. Isso se chama graça. A remissão dos pecados é um puro ato de graça de Deus para conosco.
    Essa graça dada por Deus a nós também se estende ao nosso próximo. Por ter recebido a remissão dos pecados, sem custo, o cristão é chamado a perdoar o próximo, mesmo que este não mereça ou possa pagar por isso. Assim o perdão dos pecados vem de Deus a nós, e se estende para o próximo. É a graça superabundando em nossa vida.
Como obtemos a remissão dos pecados?
    O apóstolo Pedro ouviu o mesmo questionamento depois de ter pregado para uma multidão no dia de pentecostes: “Que faremos, irmãos?” (Atos 3.37). Em sua resposta Pedro afirma: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos pecados”. EmEfésios 1.7, o apóstolo Paulo diz: “no qual (Jesus) temos a redenção pelo seu sangue, a remissão dos pecados”.
    Como o ser humano não tinha condições de pagar a dívida, Deus enviou seu filho Jesus para morrer e assim nos dar a vida eterna (João 3.16). É pelo sangue de Cristo que temos a remissão.
    Para nós o perdão, a remissão, vem por graça. É de graça mesmo. O apóstolo Paulo diz em Efésios 2.8 que “pela graça de Deus sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus”. Porém, não é porque a recebemos de graça que ela tem menos valor, pois o que para nós foi de graça custou muito caro para Deus. Custou a vida de seu “filho amado”.         Assim não devemos desprezar esse maravilhoso presente, esta grande liberdade que recebemos em Cristo. É por isso que o autor de Hebreus diz “Como escaparemos nós se negligenciarmos tão grande salvação?”. A graça produz na vida do que crê a remissão, o perdão dos pecados, não para continuar pecando, mas para ser livre dele.
O que é confissão de pecados?
    Nós evangélicos costumamos nos orgulhar de que “confessamos nosso pecado diretamente a Deus”. Porém, caro leitor, a confissão de pecados a outra pessoa é uma prática ordenada na Bíblia. Tiago dá esta ordem à igreja: “confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados” Tiago 5.16.
    A prática da confissão é benéfica para o crente, pois desta forma ele pode ouvir da boca do irmão o perdão de Deus.   Não é o irmão que vai perdoar, ele apenas vai ouvir a confissão do pecado e anunciar o perdão em nome de Jesus. O perdão vem somente de Deus.
    Mas como lidamos com o pecado na comunidade cristã? Se o pecado for secreto, devemos tratá-lo de forma secreta, apenas com um confessor. Se o pecado for contra um irmão, devemos tratá-lo apenas com o irmão e depois de perdoado não tocar no assunto com ninguém. Somente se o pecado for contra a igreja, então ele deve ser tratado publicamente e então a igreja deve perdoar e o irmão ser novamente incluído na comunhão.
    Assim queremos estimular você a confessar seus pecados diante de um confessor de confiança. E se alguém vier confessar seus pecados a ti, coloque tudo diante de Deus e anuncie o perdão que Cristo prometeu. Quem ouve a confissão deve manter o assunto em sigilo.
    Desta forma, ao ouvirmos na boca do irmão, que nosso pecado foi remido, perdoado, podemos continuar vivendo na certeza de que o Espírito operou mais uma vez a remissão dos pecados em nós.
Perguntas
1)      Ao ler o texto de Mateus 18. 23-35, que tamanha você acha que tem nossa dívida, pecado, contra Deus? Temos como pagar?
2)      Qual teu sentimento diante de Deus ao lembrar que Deus nos perdoa gratuitamente?
3)      O que você acha de confessar seus pecados para alguém? Você tem uma pessoa de confiança a quem você possa confessar seus pecados?

P. Joel Schlemper – Igreja Luterana em Barreiros
Rua Domingos Pedro Hermes, 870 – São José, SC
Fone (48) 3246-0740; cel. 9637-3278

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget